10 de maio: 32 anos sem Padre Josimo

No próximo dia 10 de maio, completam-se 32 anos do martírio do Padre Josimo Morais Tavares (Marabá/PA, 1953 – Imperatriz/MA, 1986), coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT) assassinado a mando de fazendeiros da microrregião do Bico do Papagaio por sua defesa dos trabalhadores rurais.

“Dia 10 de maio de 1986, dia das mães, padre Josimo foi assassinado covardemente enquanto subia as escadas do prédio da Mitra Diocesana de Imperatriz, MA, onde funcionava o escritório da CPT Araguaia-Tocantins. Ainda teve forças para entrar no hospital andando. Isso foi o que fazendeiros deram a dona Olinda, mãe do padre Josimo, no dia das mães”, escreveu  Gilvander Moreira, frei e padre carmelita, mestre em Exegese Bíblica, professor de Teologia Bíblica; assessor da CPT, CEBI, SAB e Via Campesina, em artigo”, registrou o Instituto Humanitas, da Universidade Unisinos, nos 27 anos de morte de Josimo (clique para os links).

Este ano, as homenagens à memória do Padre Negro de Sandálias Surradas (veja vídeo abaixo) já estão acontecendo: nesta quarta-feira, 9, e no aniversário do martírio, dia 10, haverá programação em Imperatriz, no Maranhão, solo onde tombou o padre do povo:

DIA 09 às 19h30, no Auditório da UEMASUL, em Imperatriz, será lançado o livro sobre o Frei HENRI. Haverá depoimentos de lideranças que trabalharam com o Padre Josimo. Ainda será exibido um vídeo sobre Josimo.

 DIA 10 às 8 da manhã, no centro de Pastoral, haverá a inauguração memorial do Padree Josimo, com a presença de lideranças da Igreja e outros grupos como o CEBI (Centro de Estudos Bíblicos). À noite haverá missa na Catedral de Imperatriz relembrando Padre Josimo.

No dia 29, acontece no Auditório Central da UFMA, em São Luís, o Seminário Vidas Ameaçadas – luta e resistência no campo e na cidade (link aqui no site), que também homenageará a memória de Padre Josimo e ainda de Irmã Dorothy Stang e tantos outros lutadores. Participarão também aqueles que continuam sob ameaça, e que contarão suas experiências de resistência na luta por território e por sobrevivência. Ao final, acontecerá a Romaria Vidas Ameaçadas, que sairá do bairro do Bacanga até a Praia Grande, onde acontecerá ato público com manifestações culturais.

Josimos, Dorothys, Marielles, Flavianos, Euzébios, Cabeças, Izídios e tantos outros. Sementes cujo sangue jorrou na terra e regou a luta. Vivem na persistência e na resistência do povo que os honra contando suas histórias e seguindo na força de seus exemplos.